Mosaico de fotos de redes sociais

Não sou quem você vê nas redes sociais

Ou melhor, não sou apenas o que você vê nas redes sociais. Nem eu, nem você, nem ninguém podemos nos reduzir ao conteúdo que postamos (e ao que deixamos de postar).

Ainda assim, é irresistível para nossos cérebros humanos e limitados ficarem com a impressão de que o está lá é tudo o que há — um efeito chamado wysiati, que vem das iniciais de “what you see is all there is”.

É a ideia de tomar a parte pelo todo. Lembra das figuras de linguagem nas aulas de português? O efeito wysiati é tipo a metonímia. E isso não é necessariamente algo ruim. Ajuda a gente a economizar energia e agir.

Como o Kahneman traz em um dos capítulos do livro “Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar”, somos máquinas feitas para pular direto para as conclusões. “O wysiati explica porque conseguimos pensar rápido, e como somos capazes de processar informações parciais em um mundo complexo. Na maior parte do tempo, a história coerente que construímos é próxima o bastante da realidade para que possibilite tomar uma ação razoável.”

Uma escala pessoal não representativa

Na última semana, uma das coisas que mais me deixou alegre foi meus pais terem tomado a vacina da covid-19. Por outro lado, muitas coisas me deixam bem tristes — como a situação do nosso país chegando aos 500 mil mortos na pandemia. Um país liderado por uma pessoa totalmente despreparada, que não me representa e que me envergonha em muitos sentidos.

Não postei nada sobre a alegria da vacina, e raramente menciono minha tristeza com o país. Na escala de coisas importantes da minha vida, isso ficou de fora. E olha que eu que posto bastante. São escolhas. Da mesma forma, alguns pensamentos e ideias que surgem recorrentemente e dominam o que acontece em minha cabeça nunca foram postados.

Existem situações que dizem muito sobre quem sou e como me sinto, mas não necessariamente elas estarão publicadas em algum lugar por aí. Aliás, este próprio texto é um “metaexemplo” disso.

Mas posto sobre amenidades, sobre coisas bonitas, pequenas conquistas, ideias que curto, planos que faço para viver o que acredito. Adoro enxergar a beleza nas pequenas coisas e compartilhar ideias que ressoam comigo. Isso me ajuda a expressar uma identidade que quero endossar, e vamos falar sobre isso logo mais.

Devo parecer uma pessoa muito equilibrada vivendo em um mundo cor-de-rosa onde só coisas boas acontecem. E tudo bem — é a parte boa que eu quero guardar para o futuro. Fico feliz demais quando me escrevem pra dizer que sou uma inspiração de alguma forma.

Mas é perigoso pensar que é apenas isso, que meu lado inspirador é tudo o que existe. Ele é apenas uma parte do todo. Por trás de cada post, há uma decisão (e filtros, nos dois sentidos).

É irresistível, para quem não está na minha pele, me reduzir ao que posto. Não culpo. Faço o mesmo com os demais. Todos fazemos. É como nossa cabeça funciona no modo automático.

Por que usamos redes sociais?

Cada plataforma de tecnologia usada para agrupar e conectar pessoas tem suas próprias finalidades e usos característicos.

Se no TikTok temos um espaço onde se espera que façamos a dancinha do momento (ainda não cheguei nessa fase avançada da socialização) e fazer parte do trending, no Twitter queremos compartilhar nossa opinião e ver as dos outros a partir de assuntos que, de alguma forma, nos unem. Mas o que nos une também, por definição, nos divide.

Algumas pessoas compartilham mais, outras menos. Outras nunca postam nada, mas estão sempre interessadas em acompanhar o que acontece com as demais.

Longe de querer oferecer uma resposta universal, o fato é que as redes sociais são apenas interfaces tecnológicas para fazermos o que está em nosso instinto: nos conectar com outras pessoas.

Somos animais sociais e suspeito que nosso impulso de socialização seja maior que o de sobrevivência, dada a grande dificuldade de isolamento voluntário que observamos nessa pandemia. Uns mais, outros menos, é fato. Mas, no geral, a dopamina das notificações é a mesma dopamina de perceber o interesse das pessoas em você numa conversa. Somos muito sociais mesmo!

Expressão de identidade

Para além da conexão, queremos expressar ao outro nossa identidade, mostrar de quais grupos fazemos parte, criar algum tipo de unidade admirável dentro da complexidade inerente à nossa experiência individual de viver.

Dizemos que não gostamos de rótulos, mas às vezes eles podem ser úteis. Por exemplo, quando nos ajudam a melhorar a concepção que o outro tem de nós e também a que formamos de nós mesmos.

Aprovação social

Algumas pessoas se preocupam mais, outras menos, com o que os outros pensam sobre elas. Mas todos, sem dúvida, evitamos nos sentir desaprovados pela comunidade.

Evitamos fazer coisas que sabemos que serão mal interpretadas. Quando fazemos (afinal, somos humanos), varremos pra debaixo do tapete. Que, no caso das redes sociais, significa simplesmente não postar.

Buscando um efeito positivo

Dada nossa condição de dar muito valor à socialização, ambientes de exposição como as redes sociais têm o poder gigante de influenciar nosso comportamento, seja no nível individual ou social.

Quando tornamos pública alguma intenção, tendemos a agir de acordo para manter nossa coerência — não queremos que os outros nos vejam como pessoas confusas, contraditórias ou sem força de vontade. Em grupos, isso é maximizado, pois é natural nos compararmos aos demais e buscar seguir as normas do grupo. Os outros (em especial aqueles que admiramos) são a nossa melhor régua, o nosso melhor termômetro.

Cientes de que você e eu não podemos ser reduzidos aos conteúdos que postamos, mas dado o fato de que isso acontece naturalmente, gosto de pensar que o melhor caminho é extrair o lado bom das redes sociais.

Acredito demais que podemos usar o conteúdo estrategicamente como uma ferramenta, antes de tudo, que nos apoie e direcione para reforçar nossos pontos fortes e nos tornarmos as pessoas que almejamos ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s